Bope realiza operação na Vila Kennedy e alunos da região ficam sem aulas

Extraído de: odia.ig.com.br.noticias.rio.janeiro   Fevereiro 19, 2014

Em conjunto com policiais do 14 BPM (Bangu), objetivo é conter violência na comunidade. Escolas e creches não funcionam nesta manhã

Rio - O Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) e policiais do 14º BPM (Bangu) realizam operação na manhã desta quarta-feira, na Vila Kennedy, Zona Oeste do Rio. A comunidade vem enfrentando nos últimos dias uma intensa disputa por facções criminosas pelo comércio de drogas no local. Devido ao clima tenso, a Secretaria Municipal de Educação afirmou que duas creches e um colégio estão sem atendimento. As escolas municipais Guilherme da Silveira e Jorge Zarur estão abertas, mas com pouco movimento de estudantes.

Já no Ciep 224 (Tarso de Castro), cerca de 400 alunos também ficaram sem aulas nesta manhã, como informou através de uma nota oficial a Secretaria de Estado de Educação. "A Seeduc reitera que a direção da unidade escolar tem autonomia para tomar providências no sentido de garantir a integridade física e moral de seus alunos, professores e funcionários. Os conteúdos das aulas perdidas serão repostos", diz.

No início da noite da última terça-feira, um homem ainda não identificado morreu em confronto com policiais do 14º BPM. Um fuzil foi encontrado com o suspeito, segundo a polícia. Um carro carregado de pneus foi apreendido. O suposto bandido atingido foi socorrido e levado para o Hospital Albert Schweitzer, em Realengo, mas não resisitiu.

Ônibus foi incendiado pro manifestantes
Foto: 

Segundo a polícia, o suspeito estava com outros quatro comparsas em um veículo próximo a uma região de mata. Após um confronto armado, os quatro fugiram para o matagal. A polícia ainda não sabe se o morto integrava a quadrilha de traficantes da própria Vila Kennedy ou de invasores da Vila Aliança, que pertencem a outra facção criminosa e tentam tomar as bocas-de-fumo dos rivais.

A guerra pelo controle do tráfico na Vila Kennedy, em Bangu, que assustou moradores com intenso tiroteio na madrugada de ontem, foi orquestrada a 30 quilômetros do local dos confrontos. A tentativa de ocupar o território inimigo acabou colocada em prática após ordem dada pela cúpula do Terceiro Comando Puro (TCP), no Complexo da Maré.

Moradores queimam ônibus

Ainda de acordo com a polícia, ontem à tarde, moradores a mando de traficantes atearam fogo em pneus e num ônibus, interrompendo o trânsito em um acesso à Avenida Brasil, na Vila Kennedy. Sete escolas municipais e dois Espaços de Desenvolvimento Infantil ficaram fechados por causa dos confrontos. Dois colégios estaduais também permaneceram trancados à noite, deixando 700 sem aulas.

Depois de uma pausa ao longo do dia, os confrontos foram retomados quando começou a escurecer. Por volta das 18h30, moradores buscavam proteção dentro de casa. Quem ainda não tinha voltado do trabalho não conseguia entrar.

"Não tem ninguém na rua e não tenho como voltar para casa. Estou desesperado", disse um morador, que não se identificou. Segundo a polícia, bandidos do CV deram o contragolpe, com o apoio de traficantes vindos das favelas de Antares e Rola, em Santa Cruz. De acordo com o tenente-coronel Gláucio Moreira, comandante do 14º BPM, traficantes do TCP invadiram uma localidade conhecida como Metral, para assumir o controle do tráfico na área.

Autor: O Dia


 
 
Deixe seu comentário



Siga o PasseiAki