No banho com Tite

Extraído de: noticias.turismo   Março 05, 2013

Em um bar de São Paulo , na semana passada, fui atendido por um garçom que tinha um Tite gigante tatuado em seu braço. O Tite. Tatuado. No braço. Gigante.

Fiquei em choque. A gente sabe do que o fanatismo no futebol é capaz, principalmente entre corintianos, mas você dar de cara com o Tite quando acorda, ver o Tite ao tomar banho ou em qualquer outro momento íntimo, para o resto da vida, não deixa de me parecer bizarro, conquiste o que ele conquistar.

Bizarro por ser o Tite e por ser um técnico de futebol. Por exemplo, imagina se um palmeirense empolgado, no começo dos anos 00, tatuasse o Felipão. O mundo girou, Felipão voltou ao Palmeiras e encaminhou o time para a Série B.

Enfim, cada um, cada um. Mas o assunto "técnico tatuado" me levou a observar, por diversão, quais treinadores atuais do futebol poderiam ser imortalizados em alguma pele. Baseei-me em jogos recentes.

Tirando o encantado Tite, esqueça os treineiros dos grandes de SP. O extracampeão Muricy anda em fritura no Santos. O Ney Franco, do São Paulo , ouve de dirigente que o futebol do time é uma vergonha. E o Palmeiras não sabe se gosta ou não do Kleina porque ele é herança da diretoria antiga fracassada.

Lá fora um bom técnico para NÃO se tatuar no momento é o Rafa Benítez, do campeão europeu Chelsea, que vem sofrendo o mais entusiasmado pedido de "vá embora" dos últimos tempos. A transmissão inglesa do sábado, do jogo com o West Brom, foi iniciada mostrando a variedade de frases da torcida com o tema "Rafa Out", nome da campanha. Talvez os únicos com motivos para tatuar Benítez no corpo seriam são-paulinos e corintianos, em agradecimento pelos títulos mundiais oferecidos, primeiro com o Liverpool, depois com o Chelsea.

O famoso José Mourinho não seria uma boa em braço de torcedor do Real Madrid, apesar de ter solucionado o caso do "Barcelona imbatível". Primeiro porque ele quer ir embora logo mais, depois porque os jogadores também o querem fora. Falando em Barcelona, mesmo (ainda) sendo o melhor time do mundo não dá para tatuar a cara do técnico número 3 em ninguém, não?

Um torcedor mais maluco do Bayern teria motivo para tatuar o treinador Jupp Heynckes, que já foi campeão de muita coisa, deve ganhar a poderosa Bundesliga com o pé nas costas e está bonito na atual Champions League. Mas Heynckes se aposenta no meio do ano e em seu lugar vai assumir "só" o Pep Guardiola. Melhor guardar as tintas por algumas temporadas.

É italiano e quer matar dois coelhos? O grande Gattuso é jogador e treinador do Sion, da Suíça. Herói. Quer ser ousado? Espera a final do Gauchão para ver se o Dunga conquista com o Inter o primeiro título de clube de sua famoooosa carreira de dois meses. E daí que é título de primeiro turno? É o Dunga!

Autor: Vinculado ao noticias.turismo


 
 
Deixe seu comentário



Siga o PasseiAki