Putin nega haver esquemas de corrupção nas Olimpíadas de Inverno

Extraído de: gazetadopovo.vida.cidadania   Janeiro 19, 2014

Empresas subcontratadas para os Jogos dizem que a corrupção tem sido endêmica durante os preparativos para o evento que começa no dia 7 de fevereiro

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, negou haver esquemas de corrupção envolvendo as Olimpíadas de Inverno de Sochi e desafiou os que alegam o contrário a apresentar provas.

Segundo críticos do Ocidente e da própria Rússia, grandes somas de dinheiro teriam sido roubadas durante as obras para os Jogos de Inverno de 2014, mas poucas evidências de fato foram apresentadas.

  • Saiba mais
  • Forças russas enfrentam militantes antes dos Jogos de Inverno; 7 mortos
  • Pussy Riot "agradece" ao governo russo por indicação a prêmio

Empresas subcontratadas para os Jogos dizem que a corrupção tem sido endêmica durante os preparativos para o evento que começa no dia 7 de fevereiro.

"Nós não vemos nenhum grande esquema de corrupção durante os nossos preparativos em Sochi. Se alguém tiver alguma informação sobre corrupção, por favor nos apresente. Ficaremos contentes e agradecidos", disse Putin numa entrevista com a ABC, a BBC e jornalistas russos e chineses neste domingo.

"Há alguns anos burocratas locais tentaram comprar e vender terra onde se planejava construir sedes olímpicas. Houve investigações, essas pessoas foram julgadas e estão servindo as suas penas."

A Rússia gastou mais de 50 bilhões de dólares nos preparativos para os Jogos de Inverno, tornando esta a Olimpíada mais cara da história. O governo Putin espera mostrar ao mundo uma Rússia moderna, em meio às críticas que o país sofre em relação a direitos humanos.

Uma lei aprovada no ano passado que proíbe a promoção da homossexualidade entre menores foi condenada no Ocidente e por ativistas de direitos humanos.

Putin disse no domingo que conhece pessoas gays e que ficaria feliz em se encontrar com a delegação norte-americana para os Jogos, que inclui atletas abertamente homossexuais.

"Eu ficaria feliz em ver representantes de qualquer país, incluindo dos Estados Unidos. Se eles quiserem um encontro, falar sobre qualquer coisa, pelo amor de Deus, eu não tenho nenhum problema", declarou.

Autor: Vinculado ao gazetadopovo.vida.cidadania


 
 
Deixe seu comentário



Siga o PasseiAki