Rotatividade tem alta nos últimos dez anos

Extraído de: redebomdia.noticias   Março 15, 2014

Índice que era de 52% em 2003 subiu para 64% em 2012. Trabalhadores passaram a tomar mais iniciativa

A rotatividade no Brasil apresentou elevação e saiu de 52% em 2003 para 64%em 2012. Os dados foram divulgados nesta semana em Brasília, durante um seminário promovido pelo Ministério do Trabalho em parceria com o Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos).

O estudo mostrou ainda que alguns setores da economia brasileira possuem um alto grau de rotatividade. De acordo com o Dieese, a construção civil apresentou uma taxa de 87,4%, a agricultura mostrou 65,9%, o comércio 41,4%, a administração pública 40,7%, os serviços tiveram 38,9%, a indústria de transformação ficou em 35,5%, a indústria extrativa mineral teve 19,5% e o setor de serviços de utilidade pública registrou 19,4%. 


"A principal característica desse levantamento foi o crescimento da rotatividade por iniciativa do trabalhador. Isso está ligado a um mercado contratante. Antigamente ninguém era louco de pedir demissão, hoje, as pessoas buscam empregos  mais próximos ou com remuneração melhor porque existem mais ofertas de trabalho", avalia Clemente Ganz Lúcio, diretor do Dieese. 


No entanto, ele alerta que as demissões por parte das empresas ainda seguem altas. "De cada dez trabalhadores empregados, quatro são demitidos, dois pedem demissão, aposentam ou falecem e quatro permanecem estáveis. Essa rotatividade revela que o mercado de trabalho é muito flexível, o custo da demissão é incorporado pelas companhias ao preço dos produtos ou serviços", completou.


A terceirização e as empresas que vendem apenas força de trabalho são os pontos elencados pelo diretor do Dieese como  fatores para a alta rotatividade brasileira. Ele explica que uma taxa de 10% a 15% é natural. Acima disso é sinal de problemas no sistema econômico.



Governo/ O ministro do Trabalho, Manoel Dias, enfatizou no seminário   que várias mudanças nos postos de serviço são decorrentes do crescimento das oportunidades. "Estamos tendo aumento na geração de emprego nos últimos anos e isso impacta numa rotatividade maior, pois o trabalhador busca sempre uma melhor colocação no mercado de trabalho".

Autor: Tayguara Riebiro/Especial para o Diário


 
 
Deixe seu comentário



Siga o PasseiAki