Travesti é morto a pauladas em Marituba Jovem foi executado depois de beber com homem e mulheres

Extraído de: noticias.orm.policia   Outubro 07, 2013

Bruno Nascimento Chagas, de 22 anos, foi assassinado a pauladas, por volta da 6 horas de domingo(6), na rua 1º de Janeiro, próximo à passagem Paulo Cícero, no bairro União, município de Marituba. Segundo os policiais militares, os primeiros a chegar à cena do crime, Bruno era travesti e conhecido como "Brunete".

O sargento Fernandes, da 22ª Área Integrada de Segurança Pública (Aisp), contou que as primeiras informações indicam que Bruno consumia bebida alcoólica com um homem e duas mulheres em uma pracinha perto do local do crime. Ninguém disse aos PMs como o assassinato ocorreu, mas comentava-se que ele foi motivado por ciúmes, embora também não houvesse mais informações sobre essa suspeita.


Bruno tinha um ferimento grande na cabeça e perto dessa área havia um pedaço de pau. O sargento Fernandes e o soldado Frank não conseguiram mais informações por causa da "lei do silêncio", que afasta pessoas que temem sofrer represálias dos criminosos. "Aqui, ninguém diz nada", comentou o sargento.


Uma prima da vítima comunicou o homicídio na seccional de Marituba, durante o plantão do delegado José Odon Muniz e do escrivão Fabiano de Cristo Coutinho. Ela contou aos policiais que Bruno era usuário de drogas e que completaria 23 anos no próximo dia 15. Sem dar detalhes, ela acrescentou que o jovem era aposentado por invalidez. A prima disse ainda que Bruno era homossexual e "tinha vários namorados", "não possuía parceiro fixo".


A prima de Bruno disse desconhecer a motivação e as circunstâncias do assassinato, que agora será investigado pelos policiais da seccional de Marituba. Investigadores da Divisão de Homicídios e peritos do Instituto de Criminalística, do Centro de Perícias Científicas Renato Chaves, foram ao local do crime e coletaram informações e evidências que podem ajudar a esclarecer o crime. Quem tiver informações sobre o assassinato pode ligar para o 181, o Disque-Denúncia do Sistema de Segurança Pública. A pessoa não precisa se identificar.


Fonte: Jornal Amazônia

Autor: Vinculado ao noticias.orm.policia


 
 
Deixe seu comentário



Siga o PasseiAki